quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Meu jogo, suas regras.

O dia foi de muito calor, o vento não soprava, o relógio não anda. O calor pinica, incomoda, parece minha consciência no momento. Me olho no espelho e me sinto idiota, vejo a forma que os meus amigos me olham e me sinto pior. Ninguém sabe tudo o que já aconteceu e ainda acontece, eu conto pequenas coisas, fatos costumeiros que eu já nem ligo mais, e com a distorção visual que esse sentimento me causou eu chego a achar que tudo é normal.
As vezes eu fico feliz, mas vezes que estamos juntos. Eu queria ser aquela que passa o final de semana junto, mas eu fico feliz em ser o sexo durante a semana, as vezes de manha e as vezes a noite. Eu brinco com seus cabelos desgranhados e tento imaginar uma relação, lhe faço carinhos e o escuto falar sobre as outras. E o que seria eu?
Esses encontros valem os meus dias e destroem as minhas noites, me corroem os sentidos com ciumes. Eu sou uma mulher, tente entender. Quem nunca passou por isso?
Quem nunca aceitou coisas fingindo que não se importa só pra poder estar com a sua paixão? Quem nunca engoliu ciumes a seco pra fazer um estilo de mulher moderna? Quem nunca aceitou foder quando queria amorzinho olho no olho? Quem nunca justificou os erros de um cafajeste com a suporta sinceridade dele?
Ninguém pode me julgar... Só eu. 
Eu ligo o ar do meu quarto e espero a temperatura descer. Deito e penso em tudo. 
Sei que sou mais que isso, mas também sei que preciso dele... daqueles olhos, mãos, cheiro e daquele senso de humor escroto. Os olhos me passam uma Inocência absurda, um olhar de "eu não fiz nada''. A cafajestagem  que faz e diz tudo. Até a barata que suja que sai de um bueiro sabe que ele não me quer. Eu mais do que ninguém sei que se ainda sou o sexo do meio da semana, é por que eu me encolhi e me fiz uma mulher mediócre pra caber na mão dele. 
Ocasionalmente eu me pego com ciumes e jogando indiretas pra mulheres que não teriam capacidade pra frequentar o meu ciclo de amigos, essas mesmas mulheres que não são pior que eu. Somos todas usadas, diminuídas e nos prestamos a esses papeis. Ele faz com que eu me sinta unica mesmo sem ser. Mesmo que seja só por umas horas.
Meu quarto já esta frio, eu me deixo e sinto o corpo relaxar, as lembranças vem como brisa suave com o seu perfume. Um sorriso vem no canto os meus quase ao mesmo tempo que meu cabelos são molhados pelas minhas lagrimas. 
O clima aqui ainda é frio é o relógio não anda, meu celular não toca... Mas eu ainda espero. 
Tão criança que sonha. Tão adolescente imatura. Tão mulher, mulherzinha idiota. 
Eu tenho que esperar, daqui a mais ou menos três dias ele liga, meu dia vai chegar e eu  preciso estar linda. .

3 comentários:

  1. Olha garota não sei o que vc tem em sua alma... Mas esse seu post foi feito exclusivamente para mim, pqp simplismente D++++ parabéns!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Gostei do seu estilo de expressão... :)

    ResponderExcluir
  3. sempre acho q vc fala um pouco de vc nos seus escritos,por isso fica lindo.vc escreve com o coração.bjsss

    ResponderExcluir